fbpx

Turmalina

A turmalina está disponível em mais cores do que qualquer outra pedra preciosa, por isso é apropriado que sirva como pedra natal para outubro, quando as estações mudam no hemisfério norte e as árvores estão vivas com cores. Os antigos egípcios atribuíam essa profusão de cores à longa jornada da turmalina desde o centro da terra, durante a qual ela passava por um arco-íris.

Além de seu status como a pedra de nascimento de outubro, a turmalina também é a joia do oitavo aniversário de casamento. O nome vem das palavras cingalesas “tura mali”, que se traduz em “pedra com cores misturadas”. É a pedra preciosa do amor e da amizade, e diz-se que torna os relacionamentos do usuário firmes e duradouros.

“A turmalina é uma joia incrível que vem em muitas cores únicas, e acho que é por isso que as pessoas gostam tanto delas”, diz a negociante de joias Tracy Lindway da Gems by Nomads, Nova York. “As pessoas podem escolher uma gema na cor exata que lhes fale… e é provável que seus amigos e vizinhos não tenham uma pedra exatamente da mesma cor. A turmalina é uma joia que realmente permite que o usuário mostre sua individualidade”, diz Lindway.

A turmalina varia de 7 a 7,5 na escala de dureza de Moh, o que a coloca na extremidade superior da escala de dureza. Como tal, é uma das gemas mais utilizadas, perfeita em todas as estações, em qualquer tipo de joia, incluindo anéis, já que é dura o suficiente para suportar os rigores do uso diário.

As turmalinas em suas várias cores compreendem um grupo de espécies minerais intimamente relacionadas que compartilham a mesma estrutura cristalina, mas possuem propriedades químicas e físicas diferentes. Todos eles têm silício, alumínio e boro, mas derivam a cor de outros elementos, como sódio, lítio, cálcio, magnésio, manganês, ferro, cromo, vanádio, flúor e às vezes cobre. As principais espécies de turmalina são elbaite, liddicoatite, dravite, uvite e schorl. Elbaites oferecem a mais ampla gama de cores de turmalina com qualidade de gema. Eles podem ser verdes, azuis ou amarelos, rosa a vermelho, incolores ou com zonas de cores. Mesmo pequenas mudanças na composição podem causar cores completamente diferentes.

Cores e minerais

– Turmalina verde: chamada verdelite, é colorida por ferro ou titânio em tons de verde mais pastel que o verde profundo e rico da esmeralda ou o tom mais suave do peridoto. Na melhor das hipóteses, a turmalina verde é transparente, brilhante e limpa, com um atraente tom verde azulado. O verde vem

– A turmalina rosa: é colorida pelo oligoelemento manganês.

-Turmalinas marrom-amareladas: são chamadas de dravitas

-Turmalinas pretas: são chamadas de schorl.

– A rubelita: é uma turmalina rosa, vermelha, vermelha púrpura, vermelha alaranjada ou vermelha acastanhada. É tão bonito quanto o rubi, mas só pode ser chamado de rubelita se continuar a exibir o mesmo vermelho rubi fino à luz artificial como à luz do dia. Se a cor mudar quando a fonte de luz o fizer, a pedra é chamada de turmalina rosa ou rosa choque.

– A turmalina cromo: é um verde intenso, colorido principalmente por um oligoelemento chamado vanádio, o mesmo elemento que torna as esmeraldas brasileiras e africanas tão lindamente verdes.

– A turmalina azul: é azul violáceo escuro, azul ou azul esverdeado, e é conhecida como indigolita ou indicolita. O tom é frequentemente modificado pelo verde, então você pode ter uma cor azul com apenas um pouco de verde modificando a cor ou uma cor muito esverdeada, mas ainda azul.

– A turmalina olho de gato: é dotada de um efeito chamado chatoyancy, e é mais frequentemente verde, azul ou rosa, com um olho mais suave e mais difuso que o olho em crisoberilo olho de gato.

– Turmalina Mohrenkopf: se um cristal de turmalina é quase incolor no meio e preto apenas nas pontas, ele é chamado de Mohrenkopf porque é um tipo de bolo com o mesmo nome popular na Alemanha – é como um profiterole com creme no centro, cercado por chocolate escuro.

– Turmalina Parti-colorida: gemas com zoneamento multicolorido, ocorrem quando os oligoelementos mudam de concentração ou composição durante o crescimento de um cristal. Um cristal que começa rosa, por exemplo, pode terminar com uma ponta verde.

– Turmalina Melancia: Às vezes, um cristal vermelho acaba com um mato verde, que os comerciantes chamam de turmalina melancia porque suas cores lembram a casca e a polpa dessa fruta. Estes são frequentemente cortados em fatias, em vez de facetados, a fim de exibir as zonas de cor natural.

– A Turmalina Paraíba: descoberta em 1987 em uma mina no estado brasileiro da Paraíba, tornou-se a mais valorizada de todas as cores da turmalina por causa de sua cor neon marcante e sua raridade. A Paraíba é uma turmalina elbaita, com grandes quantidades dos oligoelementos manganês e cobre. Esses elementos causam cores que variam de tons de azul esverdeado, verde azulado, verde, azul e violeta. Embora os compradores cobicem todas essas cores, o azul e o violeta são os mais atraentes. A coloração única e viva da gema a diferencia de outras turmalinas. Mesmo os premiados tintos de rubelita e verdes de cromo não atingem os preços comandados pela fina Paraíba. Por causa de seu alto valor, as turmalinas da Paraíba são quase sempre cortadas sob medida. Eles geralmente são lapidados em cortes brilhantes, geralmente em formas ovais e de pêra. A turmalina da Paraíba raramente é cortada em tamanhos maiores que um quilate. Com a Paraíba, no entanto, a cor é o fator chave, e não o tamanho. Uma pedra pequena e de cores vivas tem um valor maior do que uma pedra maior de menor cor, todos os outros fatores sendo iguais.

Origens

Os puristas dizem que a única verdadeira turmalina da Paraíba é a que vem da Paraíba, no Brasil, mas também pode ser encontrada em Moçambique. “As pedras brasileiras geralmente são mais caras e têm saturação de cor mais forte, mas tendem a ser menores, mais incluídas e mais difíceis de encontrar”, diz Hubert Gesser da Hubert Gem, Los Angeles. “As pedras moçambicanas tendem a ser mais limpas, maiores e mais leves na saturação. Ambos podem ser bonitos.” Gesser reconhece que “há divergências dentro do comércio sobre se as gemas não brasileiras deveriam ser chamadas de Paraíba. Alguns acreditam que apenas as pedras do estado da Paraíba no Brasil podem levar esse nome, enquanto outros acreditam que o termo ‘Paraíba’ implica uma cor específica de azul esverdeado principalmente neon, para azuis mais fortes. Alguns laboratórios descrevem as pedras da África como: “cobre com turmalinas elbaítas,

A turmalina pode ser encontrada em todo o mundo, mas a maioria é extraída no Brasil e na África. Também pode ser obtido no Afeganistão e regiões próximas, e existem até algumas minas espalhadas nos EUA. Na África, é extraído em Moçambique, Zâmbia, Namíbia, Madagascar e Nigéria. De acordo com a negociante de pedras preciosas de Nova York Tracy Lindway, não há um local onde a “melhor” turmalina seja extraída. “Cada fonte geográfica pode produzir turmalina muito fina e turmalina de grau inferior. Eu acho que é mais importante olhar para a pedra individual e não para o local de onde vem para determinar sua qualidade. Ao dizer que uma fonte tem a melhor turmalina, alimentamos a noção de que a localização afeta fortemente o valor, quando a beleza deve ser o valor de qualidade mais importante de uma pedra.”

Embora os espécimes de turmalina possam atingir tamanhos espetaculares, eles são raros. Os preços sobem acentuadamente para grandes tamanhos de gemas brutas com qualidade de faceta, porque são raras. Para gemas moldadas de cor e clareza semelhantes, o preço por quilate geralmente aumenta à medida que as gemas ultrapassam o marco de cinco quilates.

“Dadas as condições geológicas corretas, a turmalina pode crescer em tamanhos muito grandes; isso pode acontecer em muitas localidades diferentes”, diz Lindway. O que tende a afetar os tamanhos das gemas Turmalinas que chegam ao mercado de uma determinada localidade é a maneira como elas são extraídas. Muitos depósitos de turmalina são depósitos primários de rocha dura (Namíbia e Afeganistão) e requerem detonação/explosivos para recuperar as pedras; isso pode fazer parecer que essas áreas produzem pedras menores porque muitas foram quebradas no processo de mineração.”

As turmalinas crescem em um ambiente rico em líquidos, e alguns desses líquidos são capturados como inclusões durante o crescimento do cristal. Não é incomum que as turmalinas rosa e vermelha tenham inclusões visíveis aos olhos, mas a menos que o tamanho ou números de inclusões não sejam muito elevados, elas não afetam o valor da gema, especialmente se tiverem boa cor, que é considerada o fator de valor dominante. Turmalinas fortemente incluídas com boa cor às vezes são cortadas como cabochões para enfatizar a cor e minimizar a aparência das inclusões. A forma alongada de muitos cristais de turmalina tem um impacto direto na forma e nas proporções da gema acabada, resultando em formas retangulares longas. Fazer o corte paralelo ao comprimento do cristal bruto ajuda a reduzir o desperdício.

Você sabia?

A turmalina também é conhecida por uma qualidade física surpreendente que raramente é citada em descrições de joias ou relatórios de laboratório: ela pode se tornar eletricamente carregada quando aquecida. À medida que esfria, libera uma carga positiva em uma extremidade e uma negativa na outra, o que faz com que ela oscile. Isso é conhecido como ‘piroeletricidade’, derivado da palavra grega ‘pyr’, que significa fogo. Os holandeses, que foram os primeiros a trazer a turmalina para a Europa, conheciam esse efeito muito antes de receber uma explicação científica. Eles usaram uma turmalina aquecida para extrair as cinzas de seus cachimbos de meerschaum e chamaram a pedra preciosa de “aschentrekker”.

Escrito por: Carol Besler | Texto original: https://www.gemstone.org/tourmaline

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.